10 de abr de 2011

Massacre no Rio faz governo antecipar campanha do desarmamento

O Governo Federal, que já planejava retomar a campanha nacional de desarmamento, realizada pela 1ª vez em 2008 e 2009, adiantou o passo para começar o quanto antes a tirar de circulação o maior número de armas de fogo.
O alto escalão do Ministério da Justiça e representantes de ONGs interessadas no desarmamento se reunirão nesta segunda-feira (11), para traçar a estratégia de ação. A campanha estava marcada inicialmente para começar em junho, mas um dia depois do massacre de 12 crianças em Realengo, no Rio, o ministro José Eduardo Cardozo decidiu marcar a reunião para antecipar o desarmamento. No encontro, o governo também deverá apresentar várias medidas para reforçar o controle das armas. Uma das ideias é incluir chips nas armas ainda nas fábricas. Uma das novidades desta campanha será o recolhimento também de munição. Uma tese de doutorado do economista Daniel Cerqueira, pesquisador do Ipea, defendida em outubro do ano passado, demonstra que para cada 1% a mais de armas, os homicídios aumentam 2%, E para cada 18 armas apreendidas pela polícia, uma vida é salva. Informações do O Globo.

0 Comente esta matéria: