22 de jun de 2011

Jiu Jitsu na socialização de jovens adolescentes em Macarani

Como forma de proporcionar a jovens e adolescentes uma vida saudável e mantê-los distante dos malefícios inerentes à ociosidade, Secretaria de Desenvolvimento Social de Macarani usa o esporte como forma de oferecer a dezenas de jovens, pertencentes ao CRAS e ProJovem, uma linha de valorização pessoal, da auto-estima e de integração no contexto social.
O Jiu Jitsu foi a modalidade escolhida nesse processo de socialização pelos muitos benefícios que oferece aos praticantes. Por ser uma luta de contato, exige muita concentração e respostas rápidas do corpo aos movimentos e golpes do adversário. Os grandes campeões de jiu-jitsu não são conhecidos pela força física, mas, sim, pela técnica que adquirem. As aulas são ministradas pelo professor Sérgio Ricardo, faixa preta, contratado pela prefeitura para tocar o projeto. Aficcionado pelo esporte, Sérgio Ricardo encontrou no Jiu Jitsu uma oportunidade para ajudar jovens carentes em condições de vulnerabilidade, a entender melhor a complexidade da vida e poder direcioná-la com disciplina e retidão. As aulas são as terças e quintas, no horário das 08:00 às 09:00h e 15:00 às 16:00h, no próprio complexo da Secretaria, que disponibilizou uma sala equipada com tatame, apenas para esta finalidade. Cerca de 60 alunos fazem parte do projeto, entretanto, apenas 30 deles estão atualmente na ativa. Segundo a coordenadora do CRAS, Rosane Neres Ribeiro Porto, a intenção é ampliar o espaço no próximo ano, a fim de que o número de participantes seja ampliado. Não existe um critério pré-estabelecido para seleção dos alunos. “Basta apenas que estejam estudando e façam parte de algum programa social oferecido pela Secretaria”. Assegurou a coordenadora. Antes das aulas práticas, o professor Sérgio se preocupa em orientar seus alunos através de palestras sócio-educativas, cujo objetivo é encorajá-los a avançar sempre na trilha do sucesso, enfrentando as adversidades com denodo e persistência, para que possam se alegrar com a conquista da vitória. A intenção não é profissionalizar ninguém, mas isso não é um sonho incapaz de ser alcançado, a dedicação e aplicação do aluno é que determinará essa condição. 
Como reflexão, o mestre Sérgio Ricardo deixa os seguintes conselhos: 
Os covardes nem tentam, os fracos chegam na metade do caminho, mas só os fortes sobrevivem. 
Não use o Jiu Jitsu como arma, mas como um esporte que ofereça uma filosofia de vida. 
No tatame entra quem quer, mas permanece que pode. Para muito o chão é o fim, para nós é só o começo. Quem luta perde, porque quem não luta está sempre invicto. Honra é poder lutar... 
Vergonha é não ir a luta. 
Mais vale a lagrima de uma derrota do que a vergonha de não ter lutado.

0 Comente esta matéria: